quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017


Um retrato de Lisboa antiga e das profissões de outros tempos!

Para ver aqui 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

"O Beijo"

A assinalar a Semana dos Afetos, encontra-se no átrio da biblioteca uma exposição de trabalhos dos alunos do 10º ano do Curso de Artes Visuais, sob coordenação da docente Cristina Vouga!

O Beijo nas Artes Plásticas

Uma recolha da docente Cristina Vouga!

  Beijo by Esfabib on Scribd

Sobre o amor...

Solteiros 3.0: o amor deixou de ser para sempre?

O solteiro 3.0 muitas vezes nem se chegou a casar e aterra sem pára-quedas numa espécie de meia-idade prematura, cheio de energia e alegria, como se tivesse renascido da uma morte lenta.

O mais provável é que nunca tenha sido para sempre. Não me refiro ao amor de pais aos filhos, esse doce sentimento familiar que raramente se corrói e subsiste a males e desgraças. Nem do amor ao próximo e aos animais. Falo do amor que nasce da paixão e fica quando ela não resiste. Estaremos perante um novo paradigma social, face à nova onda de relações assentes em contratos a termo?

Não me parece. A mudança a que estamos a assistir é condicionada e aparente. Condicionada, porque os nossos comportamentos só estão mais visíveis, mais transparentes e mais fáceis — socialmente esta mudança está a ser mais aceite. Aparente, pois há um século a esperança média de vida era de 50 anos e hoje ronda os 80. Vivemos mais! Portanto, muitos dos que achavam que amavam para sempre, simplesmente não viviam tempo suficiente para descobrirem que talvez não. O mesmo efeito acontece com a saúde: as doenças cardiovasculares só chegaram ao topo das causas de mortalidade porque as pessoas passaram a viver tempo suficiente para o provar, uma vez resolvido o problema das infecções.

Este é obviamente apenas um dos vértices da questão. Porque o argumento mais importante é que hoje as pessoas resistem menos a viverem num amor morto, numa relação que transforma o lar numa casa mortuária feliz, onde a câmara ardente se vive com a tranquilidade de quem se habituou à ideia que basta sobreviver. O tempo dessa condescendência já passou e, em parte, graças à tecnologia que vai denunciando as pequenas infidelidades e as grandes deslealdades. E uma vez descobertas, já ninguém aguenta. Até porque o solteiro 2.0 — o divorciado de há duas décadas — era um marginalizado social de que não há memória. O solteiro 3.0 muitas vezes nem se chegou a casar e aterra sem pára-quedas numa espécie de meia-idade prematura, cheio de energia e alegria, como se tivesse renascido da uma morte lenta. Mais do que tolerados, já são socialmente normais. Bem vistos, até, por terem tido a coragem de querer voltar a viver e a celebrar essa vontade em animados festins de grupo.

Essa celebração é saudável, porque é autêntica e genuína. Porque tudo o que faz querer viver mais e sorrir melhor vale a pena. Mas substituirá no longo prazo a necessidade de um amor que fique? Julgo que não.

Será o amor para sempre impossível? Não. Provavelmente só é muito difícil, como tudo o que vale a pena. Porque o mais fácil é apaixonarmo-nos. Complicado é mantermo-nos apaixonados, interessados. Não é obviamente em câmara ardente que se segura um amor para sempre, mas duvido que seja com renovação de roupagem que nos fazemos vestir de felicidade. Precisamos de saber dar aos outros como se fosse a nós mesmos e interessarmo-nos por quem amamos como se fosse connosco. Porque só assim nos mantemos interessantes, precisos, parceiros, nossos. Porque essa é a característica patente nas relações que duram: nas relações familiares, quase sempre imortais.

Embora fundamental, este altruísmo para com quem amamos não chega. Precisamos de saber renovar, de aprender e dar de novo, de começar tudo como se fosse hoje a última vez. Como se fosse a primeira vez, num rastilho com cheiro a pecado até o aroma ser doce outra vez. Porque um amor sem altos e baixos é como um deserto: adormecemos na monotonia de uma paisagem sem cor.

Pedro Barbosa
Jornal Público 7.05.2014

14 de fevereiro


domingo, 12 de fevereiro de 2017

Conferência Teen

Decorreu na passada 6ª feira no auditório da ESFA, a "Conferência Teen" promovida pela Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões. 
Após a intervenção de boas-vindas do Sub-Diretor do Agrupamento, Dr. Fernando Espinha e da intervenção do Engenheiro Patrício da Câmara Municipal de Mangualde, foi dada a palavra ao jovem empreendedor de Mangualde, Hugo Melo, que explicou aos presentes o seu projeto. 
De seguida, Marta Baeta deu a conhecer o projeto que fundou em Kibera, a maior favela do mundo situada no Quénia. "From Kibera with love" tem como missão garantir a educação de crianças do Quénia e começou com uma experiência de voluntariado que se previa durar apenas 3 meses. O projeto tem agora mais de três anos e oferece às crianças a possibilidade de estudarem numa boa escola, vivendo de apoios que Marta (que entretanto se mudou para lá) tem conseguido angariar pelo mundo fora. 
Obrigada Marta pelo seu testemunho, pelo seu exemplo e por fazer a diferença na vida das crianças do Quénia! 





Revisitando Amadeo

Exposição no átrio da biblioteca de trabalhos dos alunos de Artes Visuais (12ºC) realizados a partir de obras de Amadeo Sousa Cardoso.
Coordenação da docente Anabela Pascoal.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Amnistia Internacional (Viseu) - Sessão de acolhimento de novos membros


O Núcleo de Viseu da Amnistia Internacional vai realizar no próximo sábado, dia 11 de fevereiro, uma sessão de informação sobre direitos humanos. Esta sessão visa dar a conhecer o trabalho da Amnistia Internacional a nível local, no país e no mundo, a sua história, os seus valores e as campanhas em curso. Esta sessão pretende ainda mobilizar novos membros a integrarem o Núcleo local, promovendo o envolvimento da comunidade para a defesa dos direitos e liberdades fundamentais, onde os ativistas se podem envolver e dar força, integrados no maior movimento global de defensores dos direitos humanos. 
A sessão de informação e acolhimento a novos membros da Amnistia realiza-se no sábado dia 11, às 15h30, nas instalações da ESTAÇÃO DO SABER, Lda. (Morada: Urbanização Valrio, Lt. 2, Lj. E, R/C Dto - Viseu). 
Envolve-te nesta causa! Participa!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

A história de Amanda Todd

Amanda Todd passou de uma adolescente de 15 anos, praticamente desconhecida pelo mundo, a um símbolo da luta contra o cyberbullying. Perseguida online por um desconhecido durante três anos, Amanda suicidou-se, no dia 10 de outubro de 2012 depois de deixar no Youtube um vídeo onde contava a sua história e dava conta do desespero em que se encontrava.
Este foi um dos vídeos que visionámos na sessão "Por uma navegação mais consciente" que realizámos hoje para os alunos do 10º G, 10ºH e  11ºH. 
Obrigada aos alunos e docentes pela vossa participação!

Pegada Digital

Há muitos conteúdos partilhados nas redes sociais, como as fotos, que podem fornecer informação adicional sobre o que as pessoas andam a fazer. Outras vezes são os próprios utilizadores que não medem as consequências e o anunciam “aos sete ventos”.
E é desta forma que a chamada pegada digital cresce e passa a existir um rol de dados que podem prejudicar os seus “proprietários”, em diferentes aspetos. A sensibilidade do assunto levou a que fosse escolhido como um dos temas da websérie Net com Consciência, que pretende alertar os mais jovens para os comportamentos de risco na Internet.
Pensa, antes de publicar!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

"Marca a diferença: Unidos por uma Internet melhor".


Hoje, dia da Internet Mais Segura, o nosso Agrupamento marcou presença na videoconferência SeguraNet - Iniciativa Líderes Digitais: "Marca a diferença: Unidos por uma Internet melhor". 
Esteve presente a turma do 9ºF acompanhada pelo docente Alexandre Silva. Obrigada ao docente e a todos os alunos pela participação!



Não ao Discurso de Ódio!

A Internet dá-nos a possibilidade de criar, publicar, distribuir e consumir conteúdos fornecendo assim um espaço de completa participação, empenho e livre expressão pessoal. Com o desenvolvimento das Redes Sociais todos podemos participar no ciberespaço de formas muito diversas, desde o contato permanente com os nossos amigos e o desenvolvimento de novos contactos até à partilha de conteúdos e à exploração da nossa capacidade de nos exprimirmos. Este espaço online dá-nos novas oportunidades tais como aderir com outros a causas em que nos queremos empenhar e que nos preocupam.
Mas também podemos igualmente ser vítimas e agentes de abusos e violações dos Direitos Humanos, entre as quais, o discurso de ódio em diversos formatos e o ciberbullying. O mundo online não deixa de ter valores. O discurso de ódio, como tal, não é um assunto novo na Internet, nem no debate sobre direitos humanos. A sua dimensão online e o dano potencial que pode provocar em processos democráticos dá-nos novas razões para agir!

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Pensa antes de publicar!


Uma vez na “Internet”, as tuas publicações (fotografias, filmes, comentários...) deixam de te pertencer. Mesmo que as apagues depois, quem tem garante que já não foram vistas por todo o tipo de pessoas ou copiadas, modificadas, descontextualizadas...
Por isso, segue estas regras! Pensa antes de publicar. Protege os teus dados. Protege-te!

Dependência online!

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Por uma navegação segura... segue estas "dicas"!

Segue os conselhos do Google para navegares em segurança!

Este mês nas bibliotecas...

"Marca a diferença: Unidos por uma Internet Melhor!" é o mote da edição deste ano da iniciativa europeia, que também é assinalada no nosso agrupamento. Para além da exposição/divulgação de materiais alusivos à temática, terão lugar várias sessões de sensibilização a diversas turmas e marcaremos presença, com uma turma do 9º ano, na sessão de videoconferência que a ERTE vai realizar no dia 7 – Dia da Internet mais Segura. O objetivo é sensibilizar os jovens para uma navegação mais segura e consciente.

No dia 10 na ESFA, especialmente para os alunos envolvidos no projeto “Escolas Empreendedoras CIM Dão Lafões”, receberemos a “Conferência Teen”, que este ano tem como convidada, Marta Baeta, do projeto "From Kibera with Love". O principal intuito desta sessão é mostrar uma outra vertente do empreendedorismo - social - aos jovens.

São seis as turmas envolvidas no projeto Histórias Ajudaris’17 que se inicia este mês, um projeto inovador que promove a leitura, a escrita, a arte e a solidariedade. Parabéns aos alunos e docentes!

Amadeo de Sousa Cardoso é o artista que os alunos do 12ºC “revisitam”, sob coordenação da docente Anabela Pascoal e cujos trabalhos teremos oportunidade de visualizar na ESFA dentro de alguns dias.

A meio do mês, assinalamos a Semana dos Afetos, levando a cabo algumas iniciativas junto dos alunos mais novos do agrupamento.

Entre 20 e 24 deste mês os alunos envolvidos no Projeto de Erasmus “Digit – Digital Storytelling meets de world of work” (11ºL) irão até à Roménia para mais um encontro deste projeto que reúne alunos da Finlândia, Itália, Grécia e Roménia.


Bom mês, boas leituras!